quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

PArte 2

Todos tomaram café da manhã juntos, e saíram para visitar um shopping. Joe não achou divertido, mas foi mesmo assim. Após o almoço feito em casa, Joe saiu com Stella, deixando Demi sozinha.
Às vezes, ela gostava de passar tempo sozinha. Podia aproveitar para fazer o que quisesse, ou não fazer absolutamente nada. Não precisava brincar com Stella, nem conversar com Joe. Não que não os amasse, mas todos precisam de um tempo de descanso.
Mas hoje, tinha um objetivo a cumprir.
Saiu de casa, sem deixar bilhete. Foi para o shopping, determinada a comprar uma roupa. Não precisaria procurar, pois havia feito isso durante a manhã. Entrou na loja, comprando um lindo vestido.
Pretendia voltar para casa depois disso, mas acabou parando em outras lojas e comprando dois pares de sapato e um vestido casual. Parou para comprar um sorvete e enquanto chupava, percebeu que havia passado mais de duas horas ali e estava atrasada. Na volta passou no supermercado, comprando todos os alimentos necessários para fazer o jantar.
O relógio marcava pouco mais de cinco horas quando começou a preparar o jantar. Joe iria chegar logo, pensou, precisava se apressar. Como não sabia cozinhar muito bem, teve que usar um livro de receitas. Uma hora depois, o jantar já estava pronto. Ela deixou no fogão. Só requentaria um pouco, na hora de ser servido.
Foi para o banheiro, agradecendo a quem teve a brilhante ideia de comprar uma casa com banheira. Ali, finalmente iria relaxar. Pegou o som portátil e colocou um de seus CDs preferidos. Raramente podia ouvir as músicas que queria alto, afinal Joe a criticava. E ela não tinha como discutir, ele era o músico ali. Colocou em um volume alto o suficiente para desligar-se do mundo e se afundou na banheira, deixando seus problemas de lado.
Quarenta e cinco minutos depois, saiu do banho, sentindo-se melhor do que nunca. Percebeu que continuava sozinha em casa, e estranhou isso. Joe já deveria estar em casa, já estava escuro. Talvez tivesse resolvido ir com Stella ao cinema, lembrava de terem falado algo assim alguns dias antes. Ficou desapontada por não ter sido avisada ou convidada, mas se bem que se tivessem ligado, ela não teria escutado.
Despreocupada, secou o cabelo e se maquiou. Vestiu a roupa nova. Foi para a sala e colocou a mesa. Observou o relógio que já marcava sete e meia da noite. Será que eles demorariam muito? Esperava que não. Agora, era só relaxar.
Voltou para o quarto, ficando estressada por não conseguir relaxar.
Demetria se olhou no espelho mais uma vez, admirando sua aparência. Até que tinha ficado bem bonita, reconheceu. O cabelo cor de mel caía ondulado por seu busto. A maquiagem estava um pouco mais forte do que ela costumava usar, mas combinava com o vestido vermelho. Ela deixou o quarto, indo para a sala. A comida já estava pronta, mas ela esperaria Joe chegar para servir; os pratos estavam postos na mesa, tudo organizado. Demetria ajeitou a posição dos guardanapos, sem saber o que fazer.
Não se lembrava da última vez que havia feito uma surpresa ao marido, talvez nunca tivesse feito, pensou. Joseph era o romântico, era ele quem preparava jantares, a levava para sair, comprava presentes e dizia coisas bonitas. Porém aquele era um dia especial, ela se lembrou sorrindo. Stella já estava com um pouco mais de três anos e Demi estava pronta para ter outro bebê, e pretendia comunicar Joe logo.
O telefone começou a tocar insistentemente, mas ela não estava no humor de atender. Tirou-o do gancho, feliz com o silêncio. Passado algum tempo, impaciente, ligou a TV. Estava nas notícias, porém agora passavam apenas propagandas. Irritada, resolveu servir logo o vinho, assim poderia beber enquanto esperava. Abriu a garrafa e observou enquanto o líquido caía.
Seu celular também tocava, percebeu depois de algum tempo. Quem estava insistindo tanto em falar com ela? Andou até o quarto, procurando pelo telefone dentro da bolsa. Assustou-se ao ver milhares de ligações perdidas. Voltou para a sala, e enquanto retornava a ligação, pegou sua taça, tomando um gole.
Atenderam do outro lado da linha, choravam. Demi perguntava o que tinha acontecido, e antes que tivesse a resposta completa, deixava o copo cair no chão, manchando o tapete de vermelho. Tentava não acreditar no que ouvia, mas não conseguia impedir as lágrimas de caírem.
- O que? – Gaguejava ao telefone.
- Acalme-se, Demi – Catherine dizia no telefone – Não saia de casa, ok? Kevin está indo para aí, ele vai te trazer para cá. Vai ficar tudo bem.
Como iria ficar tudo bem, se tudo o que sua irmã lhe dizia era verdade? Desligou antes que Cath pudesse dizer mais alguma coisa, caindo ao chão, desesperada. Ela não ia ficar ali parada, precisava chegar até o hospital. Precisava garantir que seu marido e sua filha estavam bem. Meu Deus, Stella. Como estava Stella? Esperava que não tivesse se machucado. Catherine não queria lhe dizer.
Mas sabia que ela não estava, sentia. Sabia quando atendeu ao telefone, e só ouvia Joe chorando na outra linha. E quando Catherine pegou o telefone e disse que eles estavam no hospital. Tinham sofrido um acidente. Como e Kevin estavam lá, e ela não? Por que insistiu em não atender ao telefone? E no que estava pensando quando ficou desligada ouvindo música, em vez de prestar atenção para ver se ligavam?
Agora não tinha a mínima ideia do que tinha acontecido com a família.
Ouviu alguém tocando a campainha e correu para abrir. Kevin estava a ali. Ele apenas a abraçou. Demi não retribuiu, apenas correu para o carro.
- O que aconteceu? – Murmurou, no carro – Por favor, Kevin, me conte. Eu sei que aconteceu alguma coisa.
- Houve um acidente, Demi. – Kevin falou, baixo – Um acidente muito, muito feio. Tinham vários paparazzi aqui, eles estavam perseguindo Joe. Tentaram levar Stella, Joe ficou desesperado, saiu correndo com o carro.
- O que aconteceu, Kevin? – Perguntava – Eles estão feridos? Mataram alguém, é isso?
Ela tentava não pensar no pior. Tinha ouvido Joe no telefone, não tinha? Ele estava chorando, mas tinha ele mesmo ligado. Isso significava que estava bem. Chegaram ao hospital, Demetria pulou do carro, correndo para ver o que tinha acontecido.
Encontrou Catherine os esperando, no corredor. Sua feição estava assustada, porém não tinha chorado, ela percebeu. Não há motivos para preocupação, Demetria, está tudo bem, ela dizia para si mesma. Olhou à sua volta, procurando pelo marido e pela filha, mas eles não estavam ali. A irmã se aproximou e a abraçou. O que significava aquele abraço? Era bom ou ruim? Kevin ficou olhando, seu olhar era preocupado. Parecia saber de algo que preferiu não revelar. Demi não tinha certeza se queria saber.
Um médico apareceu, disse a Demetria que iria levá-la para o marido. Ela o seguiu até um quarto, Joe estava lá. Seu rosto estava inchado e cheio de arranhões. Estava deitado e parecia que seu braço estava quebrado. Mas estava bem. Estava vivo. Demetria suspirou de alívio.
- Onde está Stella? – Perguntou, notando o que faltava – Onde está minha filha? – Questionava ao médico.
Viu a mudança de humor do médico. Virou-se para o marido, viu que ele nada falava.
- Onde está minha filha? – Repetiu – Eu quero vê-la, agora.
- Acalme-se, Sra. Jonas. – Ele pedia – Sua filha está em cirurgia. Se quiser, podemos levá-la para lá.
Em cirurgia? Como assim em cirurgia? Stella, aquela pequena imitação de gente, precisou passar por uma cirurgia? Mas ela só tinha três anos! O acidente não podia ter sido tão grave... Não podia. Olhou para Joe, como se pedisse ajuda.
- Eu sinto muito. – Ele murmurou – Eu não vi... Não sabia... – Ele dizia coisas sem sentido.
- Acompanhe-me. – O médico a avisou e ela o seguiu.
Passava o corredor com pressa. Lágrimas rolavam pelo rosto de Demetria, ela não conseguia imaginar sua filhinha em cirurgia, sofrendo. Não podia. E onde estava ela quando isso aconteceu? O hospital era triste, cheirava a morte e solidão. Onde estavam as pessoas? Entrou na área da emergência. Seguiram até uma das salas de cirurgia. O médico deixou que ela entrasse, mas alertou que ela não deveria ficar muito próxima. Stella estava na cama, no centro de todas aquelas pessoas enjalecadas. O sangue – e como tinha sangue ali! – contrastava com a brancura de sua pele.
Os médicos falavam coisas que ela não entendia. Bisturi, desfibrilador, anestesia, taxa de oxigênio, batimentos cardíacos. Estamos a perdendo. Mais uma vez. Hemorragia interna, traumatismo craniano. Perdeu muito sangue. Sete minutos. Não há mais nada que se possa fazer. É só um bebê. Sinto muito. Não. Continuem tentando, continuem.
Não. Não. Não. Não! Os médicos tiraram as luvas, limparam o corpo de Stella. Olharam para Demetria com pena. A linha que marcava os batimentos cardíacos estava reta, alguém desligou o monitor. Um médico lhe explicava o que tinha acontecido. Não puderam evitar, ela perdera muito sangue, batera a cabeça. O cérebro tinha ficado muito tempo sem oxigênio.
Lágrimas rolavam pelo rosto de Demetria. Ignorou os médicos, andou até seu bebê. Segurou a mão dela. Sem pulso, sem vida. Não, isso estava errado. Como isso acontecera?
Sua filha. Sua pequena estrela estava ali, morta. E ela estava viva. Isso não era certo, não era natural. Sentiu Joe a abraçar pelas costas – quando ele chegara aqui? – ele também chorava, notou. Não se importava, se afastou dele. Só queria ficar com sua filha agora.
Chorava alto, percebia. Nunca tinha chorado tanto assim. As lágrimas molhavam o rosto de Stella, talvez levassem a vida de volta ao rosto da criança. Não sairia dali, ficaria com sua filha, não iria abandoná-la novamente, nunca mais.
Volte, Stella, por favor. Não podem fazer isso.
- Demi... – Joe murmurava, ela não respondia.
Era culpa dele. O acidente, tudo. Não importava o que tinha acontecido, era culpa dele. Seu bebê não estava mais ali, então nada mais fazia sentido.
Os médicos tiveram que a tirar dali. Sedaram-na, ela não viu mais nada. Não queria sair dali, queria ficar com a filha.
Stella, Stella... Onde está você agora?
Juntou-se às outras estrelas do céu, a onde pertencia desde o início? Por quê? Por que nos abandonou tão cedo?
Irei a seu encontro, Demi pensava, os olhos fechando, lutando contra os médicos. Logo iremos nos encontrar, meu bebê, você não vai ficar sozinha por muito tempo, não precisa se preocupar.
Sem dor, sem sofrimento, deitada na cama, sedada, nada acontece. Nada existe. O mundo acabou.
Apenas uma morta-viva. Onde está Stella? Sonhara com ela aquela noite... Que sonho estranho! Por um momento pensara que a filha não estava mais lá, bobagem, daqui a pouco apareceria feliz e saltitante, enchendo-a de perguntas.
Lágrimas. Não era um sonho. A dor não acabava nunca.
Abriu os olhos, dor. Não era ela que havia sofrido o acidente, mas sentia como se fosse. O quarto era branco, por que hospitais eram brancos? Queria cores. Stella gosta de cores.
Joe está sentado ao seu lado, chorando. Segurava sua mão. Ela não precisava que segurassem sua mão. Afastou-se, queria ficar sozinha. Quis passar o dia sozinha e sua filha morreu. Estava morta. Por quê?
Ela não falava e não falaria, até ter a filha de volta. Isso era uma brincadeira, de muito mal gosto, por sinal.
Já tinham lhe tirado os pais, por que levaram a filha? Sua filhinha... Sua vida.
Que a levassem então, não tinha motivos para ficar. Acabou.

   Dez coment's para o proximo

Obs:Meninas tive que voltar a fazer isso, preciso saber o que tão achando e como não estão comentando pelo menos quantidade eu preciso ver né?!?!E Seja Bem vinas as novas seguidoras. ;) 

Quem quiser ficar sabendo qndo posto pelo twitter!! É só pedir la que eu aviso!! ;)

13 comentários:

  1. cap perfeito.....

    e triste, taidnha da dmei...

    cmo foi o acidente??

    amo sua fic...

    bjo bjo e posta logo

    ResponderExcluir
  2. omg chorei com o capitulo,que dó da Demi sério .. espero que ela não se separe do Joe achando que ele foi culpado por tudo :(
    Ela vai ficar grávida de novo? ela precisa de outro bbê.
    Posta maaais

    ResponderExcluir
  3. Coitadinha da Demi,ela não merecia perder a sua bebê, só espero que ela não culpe o Joe elestem superar isso juntos. Estou amando a fic

    ResponderExcluir
  4. aw que triste!! :/

    posta mais logo!
    bjo

    ResponderExcluir
  5. que triste esse capitulo. tadinha da Stella.... posta mais

    ResponderExcluir
  6. 1 vez que comento desde da outra história eu acompanho Onw amei essa história.. ;( que pena a Stella faleceu postar logo por favor bjks

    ResponderExcluir
  7. hey posta logooo ta lindooo

    eu queria saber se voce teve que pedi pra repostar essa fic?

    ResponderExcluir
  8. Own gente que triste quase chorei lendo o capitulo :(
    Sera Demi vai rejeitar o Joe ?
    To muito ansiosa para o proximo capitulo posta mais por favor !
    bjos

    ResponderExcluir
  9. A demi naum tem coracao, nao ta vendo q o joe ta sofrendo tbm, coitada da stella, a demi nao vai ficar mau e sair matando tdo mundo naum ne? Posta logo, bjs

    ResponderExcluir
  10. pooooooooooooooooosta!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  11. Coitada da Demi!!!!!!!!

    ResponderExcluir