quarta-feira, 14 de março de 2012

Capítulo Treze 
 Parte 2

Dezembro, 2008

Demetria parou em frente ao quarto que fora de Stella. O quarto estava completamente vazio agora, mais do que antes, mas Demi preferia assim. As paredes haviam sido pintadas de creme e a cama, armário e estante haviam sido levados embora. Como a tinta ainda estava fresca, não tinha nenhum móvel. Ela e Joseph pretendiam fazer um escritório ali. Um lugar para que os dois pudessem trabalhar, mexer no computador ou ler um livro em paz, um lugar que não lembrasse, de modo algum, Stella.
Demi só tinha se mudado há algumas semanas para casa e ainda estava se acostumando. Alguns de seus móveis continuavam no apartamento antigo e ela ainda estava cancelando o aluguel, mas já não morava lá e se sentia bem com isso.
Ao sair do quarto, fechando a porta para o cheiro de tinta não se espalhar, esbarrou em Joe. Ele estivera parado ali, apenas observando Demi olhar o cômodo. Sentia como se tivesse alguma coisa errada com o quarto. Mas um errado bom, na medida do possível.
- É estranho, não é? – Demetria comentou, trancando a porta e se afastando do quarto. – Transformar o quarto de Stella em um ambiente tão impessoal. – Completou.
Joseph apenas assentiu. Era melhor assim, apesar de estranho. Com o tempo talvez pudessem usar o escritório sem se lembrar do que já havia sido. Pelo menos, era o que ele esperava.
- Vamos. – Chamou, tocando Demi no braço para que ela prestasse atenção e, então, desceu as escadas.
Demetria concordou, olhando para trás uma última vez, apenas para verificar se o quarto continuava do jeito que tinha deixado. Surpreendia-se com sua capacidade de acreditar que um dia iria virar e encontrar tudo diferente. Ou igual, pensou rapidamente, dependendo do ponto de vista.
Passando pelo andar de baixo, Demi parou um pouco para observar a árvore de Natal que ela e Joe tinham montado alguns dias antes. Era uma árvore bonita, cheia de enfeites dos mais variados tipos. Demi se sentiu triste, ao imaginar que ela nem seria utilizada naquele ano, já que eles haviam decidido passar o Natal na casa dos pais de Joseph. Sem Stella ali, entretanto, o Natal seria muito vazio só com eles dois.
Eles viajariam para a casa dos Jonas já naquele final de semana, portanto, naquele dia Joe queria levá-la para sair. Principalmente, lembrou Demi, considerando que naquele dia faria oito anos desde que Joseph a pedira em casamento. Ela ponderou se ele lembrava, provavelmente sim, ele tinha uma ótima memória.
O que só se confirmou quando eles entraram no carro e Joseph dirigiu até a London Eye. Demetria não conseguiu deixar de sorrir, fazia tempo que não ia até lá, estava mesmo pensando ir novamente e não havia nenhum dia melhor para isso, para comemorar.
Oito anos, quem diria que já tinha passado tanto tempo. Quem diria que tinha passado tão pouco tempo. Parecia que uma vida inteira tinha sido vivida nesse intervalo e, entretanto, nada havia mudado. Continuava sendo eles dois. No mesmo dia, no mesmo lugar, com as mesmas sensações.
Não, ela pensou. Os sentimentos continuavam os mesmos, a maior parte, pelo menos, mas as sensações eram diferentes. Eles estavam diferentes, aqueles anos haviam tido muito mais peso do que eles gostariam. Era impossível dizer que continuavam sendo as mesmas pessoas que andaram na roda-gigante exatamente oito anos antes.
- O que estamos fazendo aqui? – Demetria perguntou, deixando com que os pensamentos se transformassem em palavras.
- Eu gosto daqui. – Joseph completou, sorrindo e segurando a mão de Demi. – Me traz boas lembranças.
Porque era verdade, Demi não disse mais nada até estarem dentro da cabine. E até depois, na verdade, porque ficou apenas olhando a vista encantada. Era reconfortante como certos lugares nunca perdem o encanto, não importa quantas vezes você vá, parece sempre que é a primeira vez.
Quando estavam no topo da roda-gigante, Demi olhou para Joe sorrindo, lembrando-se de que fora mais ou menos naquela hora que ele a pedira em casamento. Como se lesse sua mente, Joe falou:
- Demi, preciso de falar uma coisa.
- Você vai me pedir em casamento de novo? – Ela brincou, rindo com a possibilidade.
- Na verdade, quase isso. – Disse, fazendo com que ela franzisse a testa, então tirou um pequeno saquinho do bolso. – Bem, eu não tinha mais a caixa original, mas acho que isso vai servir. – E tirou um anel do saquinho. Não um anel qualquer, ele tirou a aliança de casamento de Demi. – Eu acho que isso pertence a você.
Ela não respondeu. Não conseguiu. Ficou olhando abismada para a pequena aliança que Joe segurava, esperando que ela a pegasse. Imediatamente, segurou sua própria mão, como se duvidasse que sua aliança não estivesse ali. Lembrou-se então que deixara, com lágrimas nos olhos, sua aliança em casa, alguns meses antes. Dava graças a Deus por Joe tê-la guardado.
Ainda um pouco em choque, ela tentou pegar o anel, mas antes que pudesse, Joe pegou sua mão e colocou a aliança de volta no dedo certo, repetindo o mesmo gesto que fizera em seu casamento. Sem encontrar palavras, Demetria apenas puxou Joe para perto e o beijou.

Março, 2009
Demetria suspirou ao entrar no hospital. Apesar de ser um hospital diferente, em uma cidade diferente, seu pensamento imediatamente saltou para a noite em que vira os médicos tentarem ressuscitar Stella. A verdade era que não tinha entrado em um hospital nenhuma vez naqueles últimos anos. Tinha ido a médicos, é claro, mas não em um hospital de fato. Era estranho como todos eles se pareciam.
Dessa vez, porém, ela sabia que sua visita não traria lágrimas. O filho de Selena havia nascido no dia anterior e ela estava indo visitá-lo pela primeira vez. Joe já estava lá com os meninos, todos estavam celebrando a chegada de um menino à família. Eles tinham ficado animados com o nascimento de Elle e de Stella também, mas, no fundo, todos esperavam por um menino.
- Tia Demi! – Elle a chamou do final do corredor e veio correndo em sua direção, largando a mão do pai. – Você veio conhecer o Ollie? – Ela fez uma pequena pausa e continuou. – Ele é tão pequenininho! Assim, olha. – Ela afastou as mãos, deixando um pequeno espaço, provavelmente muito menor do que o irmão era. – Mas é muito fofo. Mamãe me deixou segurá-lo ontem! Eu mal posso esperar para poder brincar com ele. – Completou e então saiu correndo em direção ao quarto novamente.
- Ela está muito animada com a ideia de ter um irmão. – Nick avisou, rindo e observando a filha. – Mas tenho quase certeza que ela acha que ele é um brinquedo, ou algo assim.
Demetria observou que Nick, apesar de um pouco cansado, parecia muito feliz. Parabenizou-o pelo novo bebê e foi então encontrar Selena. O quarto, apesar de grande para os padrões de um hospital, estava superlotado. Além de Elle e Nick, estavam também Joe, Dougie, Kevin, Catherine e os pais de Selena.
Selena parecia meio incomodada com a quantidade de pessoas ali e, provavelmente, queria que todos fossem embora para que ela pudesse dormir, mas sorriu para Demi quando ela chegou. Demetria se aproximou, entregando-a o presente que tinha comprado para a criança.
- Quer segurar o Oliver? – Selena perguntou, procurando pelo filho, que estava sendo repassado de braço em braço. Encontrou-o com Catherine, que olhava o bebê com encanto. – Acho que alguém está pensando em ter filhos. – Comentou.
Demetria olhou para a irmã e concordou com a amiga. Pensou em como seria legal ter um sobrinho, principalmente agora que estava voltando a gostar de crianças e aprendendo a lidar com elas.
Aproximou-se da irmã, pegando o bebê no colo. Enquanto segurava Oliver no colo, lembrou-se de como era Stella. Lembrou-se, em seguida, dos meses que sucederam sua morte, em que Demi costumava ir ao seu quarto e ficar na cadeira de balanço. Perguntou-se por um momento se um dia estaria preparada para ter outros filhos, se um dia conseguiria superar.
Ela queria ter outros bebês. Esse era seu sonho, afinal, ser mãe. Mas não conseguia deixar a memória de Stella de lado para isso. Não queria que vissem seu filho como um substituto, não queria que ela mesma acabasse tratando o filho assim. Olhou para Joe, que estava do outro lado do quarto conversando com Kevin, e imaginou se ele também pensava sobre ter filhos novamente.
Ainda não era a hora certa para falar sobre isso. Mas teria realmente uma hora certa?
Demi se perguntava se não seria tarde demais quando ela decidisse.

10 coment's para o proximo

12 comentários:

  1. AAAAAAAAAAAAAHHHHHHHH
    Lindo..*-* Mais que perfeito....
    Posta Logo..
    Se não eu morro de curiosidade...
    Beijos...

    ResponderExcluir
  2. pooooooooosta que lindo!


    Ass:jemi-love

    ResponderExcluir
  3. Posssssttttttaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa!!

    ResponderExcluir
  4. pooooooooooossssttttttaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa se não....

    ResponderExcluir
  5. Posta que historia emocionante!

    ResponderExcluir
  6. cap mais q perfeito

    jemi forever

    bjo bjo e posta logo

    ResponderExcluir
  7. Oiiiii!!

    Sorry por não ter comentado mto mas tô mega sem tempo!

    Tô amando a fic, posta mais assim que der tá?

    Bjão

    ResponderExcluir
  8. poooooooostaaaaa!
    ass:Jemi-love

    ResponderExcluir
  9. pelo amor d Deus pam POSTA LOGO Q TA MTO PERFEITOOOOOOOOOOOOOOOOO

    ResponderExcluir
  10. Posta posta eu necessito saber!

    ResponderExcluir